abrasel

O secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse nesta segunda-feira (22) que o governo já trabalha com pequenos ajustes no texto da proposta de reforma da Previdência para viabilizar a votação do parecer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Os pontos que podem ser flexibilizados pelo governo na proposta de emenda à Constituição (PEC) devem ser apresentados nesta segunda-feira a líderes do Centrão. Segundo Marinho, os trechos em negociação não terão impacto fiscal. "Estamos trabalhando com algumas modificações de pequeno vulto", disse Marinho.

Questionado sobre quais pontos podem ser negociados, o secretário foi direto: "Os pontos que não têm impacto fiscal e que não afetam a espinha dorsal do projeto." O secretário de Previdência evitou antecipar pontos que devem ser flexibilizados. "Como não está fechado ainda, não posso adiantar o que pode mudar", ressaltou. O governo decidiu abrir uma negociação com líderes do Centrão para conseguir aprovar o texto da reforma da Previdência na CCJ. Na semana passada, deputados do Centrão barraram a votação da PEC na comissão depois de questionar pontos chamados de "jabutis inconstitucionais". Rogério Marinho defendeu as mudanças no FGTS consideradas inconstitucionais pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A PEC acaba com depósitos mensais ao aposentado que continuar trabalhando com carteira assinada. O texto também retira a obrigatoriedade de o empregador pagar multa de 40% sobre o saldo do Fundo de Garantia sobre Tempo de Serviço (FGTS). A indenização é exigida em caso de demissão sem justa causa.

A OAB de São Paulo afirma que a mudança no FGTS contida na reforma da Previdência é inconstitucional. “A OAB é o STF [Supremo Tribunal Federal]?”, questionou Marinho. "No caso do FGTS, o governo pretende estimular a empregabilidade na terceira idade", justificou. O secretário também negou que o governo tenha colocado no texto um "jabuti" que acaba com a chamada PEC da Bengala, que determina aposentadoria compulsória para ministros do Supremo e tribunais superiores aos 75 anos.

Fonte: G1 - Blog do Camarotti



Comentários